Exames laboratoriais na Nutrição: quais podem ser solicitados?

Na área da saúde, conquistar e fidelizar novos pacientes é um processo que exige conhecimento e organização. Para ter sucesso ao abrir um consultório após se formar como nutricionista, por exemplo, é fundamental saber quais são os principais exames laboratoriais na Nutrição.

Realizando abordagens completas, um profissional desse âmbito amplifica a quantidade de parâmetros para, entre outras coisas, definir o plano alimentar de cada paciente. Observações clínicas, comportamentais, bioquímicas e dietéticas são boas demonstrações desses parâmetros, otimizando o trabalho do nutricionista.

O domínio de conceitos específicos da profissão, atrelado a estratégias de divulgação e ao relacionamento, são um passo primordial durante a caminhada. Você se interessa pelo tema? Então continue a leitura, pois o texto aborda justamente os exames mais comuns na Nutrição e as melhores maneiras de gerenciá-los. Confira!

Quais os exames mais relevantes para o nutricionista?

Considerando as tendências atuais do mercado, determinados testes costumam ser bem mais solicitados do que outros. Para quem está ingressando no mercado, é importante conhecê-los de modo claro. Por isso, listamos alguns a seguir:

  • avaliação e acompanhamento de doenças cardiovasculares (colesterol total, triglicerídeos, HDL, LDL, VLDL, apoliproteínas A e B e índices de Castelli I e II);
  • auxílio em casos de desnutrição proteica (hemograma, proteínas totais, proteína ligadora de retinol, índice de creatinina);
  • acompanhamento de doenças endócrinas (glicemia, teste de tolerância à lactose, insulina, peptídeo C, hemoglobina glicada);
  • observação de problemas renais (gasometria, creatinina, sódio, ureia, cálcio, potássio, magnésio, proteína, citrato, ácido úrico etc);
  • acompanhamento da tireoide (tiroxina, triiodotironina, TGB, TSH);
  • avaliação de desenvolvimento de anemia (ferro, ferritina, transferrina);
  • acompanhamento de doenças hepáticas (ALT, AST, GGT, bilirrubina);
  • verificação do quadro posterior a desordens como cirurgias bariátricas, por exemplo (B12, cálcio, vitaminas E, K, B6, B2 e D3, ferro, zinco, ácido fólico etc);
  • análise de outros hormônios (ADH, cortisol, FSG, GH, calcitonina, ACTH, progesterona, testosterona etc).

Como organizar o formulário de solicitação?

Para evitar contratempos jurídicos e padronizar processos, estar por dentro da configuração de um formulário de solicitação de exame é muito importante. Os itens que não podem faltar são os seguintes:

  • exames pedidos;
  • nome do paciente em questão;
  • data do exame;
  • carimbo e assinatura do profissional solicitante (incluindo número de inscrição no Conselho Regional de Nutricionistas – CRN e determinada jurisdição).

Por que ter um software de gerenciamento de exames?

Organizar agendamentos, controlar as finanças e cobrar pelas consultas são três das tarefas que ganham muito mais agilidade com o investimento em um software específico. Além disso, é possível criar gráficos e comparativos de refeições, por exemplo, agregando simplicidade e eficiência aos processos.

Os cálculos também são otimizados, considerando a exatidão de índices de macro e micronutrientes em planos alimentares. De forma resumida, o profissional sai em vantagem e ainda oferece benefícios aos pacientes, considerando o fácil manejo do aplicativo no smartphone.

Como você pôde ver no artigo, a combinação de técnicas peculiares da profissão e práticas corretas de expansão da marca elevam as possibilidades de sucesso. Atualmente, todas as pessoas buscam praticidade. Nesse sentido, ter um software pode fazer a diferença para quem dá a devida relevância a esse aspecto.

Falando nisso, já conhece o Dietbox? Nosso software tem tudo que é preciso para administrar exames laboratoriais na Nutrição, incluindo planilhas simples em um aplicativo. Acesse e confira os planos que disponibilizamos!

Deixe uma resposta