O uso de Testes Laboratoriais Remotos (TLR) no diagnóstico nutricional

As abordagens recomendadas para uma triagem nutricional adequada, incluem a avaliação de índices antropométricos, indicadores bioquímicos, características clínicas e fatores dietéticos. O Point of Care Testing começou a ser utilizado na década de 50 nos Estados Unidos e se expandiu, chegando no Brasil, com a denominação de Testes Laboratoriais Remotos por volta da década de 70, aonde vem se desenvolvendo, desde então. As características dessas análises são baseadas em utilizarem equipamentos portáteis, rápidos e com alta sensibilidade, que podem ser operados em beira de leitos, com pacientes acamados, a indivíduos em consultórios ou no campo, em áreas remotas, oferecendo larga aplicação geral.

Esta técnica é vantajosa devido à pouca quantidade de amostra biológica necessária, aliada a diminuição da sensação de desconforto por ser um procedimento menos invasivo do que as análises bioquímicas clássicas. Geralmente, podem ser analisados plasma, soro, urina e saliva. O resultado da análise tende a sair em poucos minutos após a coleta. Porém, no Brasil, alguns equipamentos ainda não possuem regulamentação, e os aparelhos em conjunto com seus insumos apresentam um custo elevado, o que pode ser um fator limitante para a respectiva utilização por alguns nutricionistas em sua prática clínica.

Atualmente inúmeros analitos podem ser mensurados e utilizados na prática do nutricionista envolvendo as análises TLR, tais como: perfil de vitaminas, status nutricional, marcadores de função hepáticos, marcadores de função renais, metabolismo de carboidratos, metabolismo de compostos nitrogenados e marcadores inflamatórios, por exemplo. Através desta ferramenta é extremamente viável o fornecimento de informações mais abrangentes sobre o estado nutricional geral, reduzindo os reveses das análises subjetivas, ofertando intervenções mais rápidas e precisas. Apesar deste imenso potencial, o campo de TLR ainda é uma área relativamente inexplorada para a comunidade da nutrição.

Referências:

1) Li S, Kiehne J, Sinoway LI, Cameron CE, Huang TJ. Microfluidic opportunities in the field of nutrition. Lab Chip. 2013 Oct 21;13(20):3993-4003. doi: 10.1039/c3lc90090h. Review.

2) Srinivasan B, Lee S, Erickson D, Mehta S. Precision nutrition – review of methods for point-of-care assessment of nutritional status. Curr Opin Biotechnol. 2017 Apr;44:103-108. doi: 10.1016/j.copbio.2016.12.001. Epub 2016 Dec 30. Review.

3) Diretrizes para a gestão e garantia da qualidade de Testes Laboratoriais Remotos (TLR) da Sociedade Brasileira de Patologia Clínica/Medicina Laboratorial (SBPC/ML). – 2.ed. – Barueri, SP: Minha Editora, 2016.

 

Ruan Soares Medeiros dos Santos, M. Sc.

Pesquisador II – Comitê Olímpico do Brasil (COB)

Nutricionista – Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO)

Mestre em Neurologia – Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO)

Pós-Graduando em Nutrição Clínica – Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ)

Bioquímico convidado nos Jogos Olímpicos Rio 2016

CRN4 – 16100031

E-mail: rsmsantos93@gmail.com

 

*O texto é de inteira responsabilidade do(a) autor(a) e não reflete a opinião da empresa. O blog é aberto caso outro(a) profissional queira escrever um contraponto.

Nenhum pensamento

  1. Matéria interessante para os profissionais da área de saúde. Existem diversos testes importantes de urina para avaliar nível de oxidação, disbiose, stress da adrenal e etc

Deixe uma resposta