Leite vs. lactose

Quando o assunto é leite, a pergunta mais recorrente é: “posso excluir a lactose?” Mas vamos dar um passo atrás; por que condenar a lactose?

A maior parte do leite consumido no Brasil é o leite em caixinha, o qual é transportado da fazenda até a indústria para ser distribuído. Devido ao transporte e manipulação, esse leite passa por etapas para minimizar o risco de contaminação, ou seja, é fervido várias vezes a temperaturas ultra altas – por isso é chamado de leite UHT (ultra high temperature), o que mata, inclusive, as bactérias benéficas. Para padroniza-lo, é adicionada água, porém, para que não talhe, são adicionadas ainda substâncias para mantê-lo estável (cor, sabor, consistência, odor). No fim das contas, o mais rico e completo dos alimentos passa a compor apenas uma parte do que vem dentro da caixinha.

Cerca de 20 a 30% dos brasileiros possui intolerância à lactose (açúcar do leite), porém, antes de você suspeitar e sair trocando todos os derivados do leite pela versão sem lactose (que, na realidade, possuem a enzima lactase adicionada, já “quebrando” a lactose), experimente mudar a qualidade desses produtos. Até porque a exclusão sem necessidade da lactose pode fazer com que seu corpo diminua a produção da enzima que a degrada, a lactase, uma vez que há cessação do estímulo. A adição de qualquer substância estranha ao leite cru (exceção ao citrato de sódio) para fabricação do leite de caixinha interfere negativamente no valor nutritivo. Além de água, sal e açúcar, são adicionados os estabilizantes trifostato, difosfato, monofosfato e citrato de sódio (esses aparecem na lista de ingredientes) e, conforme já noticiado, formol, água oxigenada e soda cáustica podem estar presentes; ao ingeri-los, certamente o corpo não os receberá bem e responderá com desconforto, dor, distensão abdominal, diarreia…

Por isso é tão fácil confundir com intolerância à lactose (pobre e inocente lactose!).

Se você não é intolerante à lactose, consumir alimentos lacfree não lhe trarão benefício algum.

“Mas, nutri, como me certificar sobre a qualidade do leite?”

Primeiro passo: ler a lista de ingredientes – leite é leite, portanto, não deve ter outro ingrediente senão leite; iogurte deve ter apenas leite (pode ter adição de leite em pó para dar consistência) e fermento lácteo. Segundo passo: escolha os leites pasteurizados, aqueles refrigerados (engarrafados ou de saquinho), que vão da fazenda direto para a distribuição e mantêm os micro-organismos saudáveis à microbiota intestinal e possui um controle muito mais rigoroso com relação à micro-organismos patogênicos.

“Nutri, mas o ser humano é o único mamífero que, depois de adulto, continua a beber leite!” – Verdade! E isso é mais uma prova da EVOLUÇÃO!

Se, ao mudar a qualidade do leite e seus derivados você continuar com sintomas desconfortáveis, procure uma nutricionista antes de excluir a lactose de sua alimentação, uma vez que sintomas desagradáveis podem ser consequência de outro componente alimentar presente no leite.

SAÚDE em primeiro lugar!

 

 

Nutricionista Giovana Baldissera

CRN3 46333 – São Paulo/SP

FB: Nutricionista Giovana Baldissera

IG: @nut.giovanabaldissera

www.giovanabaldissera.com.br

 

 

Referências:

Borad SG, Kumar A, Singh AK. Effect of processing on nutritive values of milk protein. Crit Rev Food Sci Nutr. 2016 Apr 6:0.

Olivier CE et al. Is it just lactose intolerance? Allergy Asthma Proc. 2012 Sep-Oct;33(5):432-6.

Deixe uma resposta