Passo a passo: como montar um plano alimentar para seu paciente

As abordagens de nutricionistas podem ter diferentes estratégias, e a estruturação delas muitas vezes pode requerer mais tempo que o profissional dispõe. Sabendo que a rotina de consultório é corrida e um bom profissional deve zelar e se dedicar para os pacientes sempre seguirem no caminho certo para conquistar seus objetivos, a seguir você poderá conhecer um passo a passo para montar um plano alimentar para seu paciente, de forma eficiente e simples.

Objetivos

Para estruturar um plano alimentar, é imprescindível que o profissional questione ao paciente sobre o seu objetivo no tratamento. A busca do acompanhamento pode ter diferentes causas e é a partir delas que o nutricionista pode começar a conhecer cada paciente.

Tratamento para obesidade, definição, hipertrofia ou distúrbios alimentares são as principais causas para a orientação de reeducação alimentar, mas ainda é possível se deparar com propostas de planos alimentares para retardar ou tratar doenças crônicas e seus sintomas, como doenças cardíacas, diabetes e muito mais. Por isso, a capacitação deve ser provada a partir dessa versatilidade.

Rotina

A possibilidade de ter sucesso com um plano alimentar inadequado à rotina do paciente é mínima. Por isso, vale a pena montar os horários das refeições de acordo com as atividades diárias do paciente. Durante a consulta, tente perguntar se o paciente estuda, trabalha, tem fácil acesso à alimentação saudável ou não. Essas são perguntas importantes que podem determinar o tipo de refeição acessível ao perfil de cada um.

Preparar as refeições requer um planejamento. Então, busque compreender circunstâncias que facilitarão a alimentação, permitindo que as porções sejam preparadas diária ou semanalmente, e consumidas nos horários recomendados, proporcionando uma nutrição equilibrada e contínua, podendo variar de 4 a 6 refeições durante todo o dia.

Nutrientes

Eles são os responsáveis pela busca da alimentação como apoio para prevenção e tratamento de doenças. Como um bom profissional, é importante propor um plano alimentar equilibrado e com alimentos de diferentes grupos da pirâmide alimentar.

É comum alguma escolha ir contra o paladar, então é importante escutar os pacientes com atenção para identificar seus gostos e ajustar os alimentos certos e completos, visando boa receptividade perante as propostas feitas durante as consultas.

Registros

Deve-se admitir que, com os inúmeros pacientes, memorizar todos os planos alimentares, objetivos e demais informações é uma tarefa um tanto quanto difícil. Para garantir acesso rápido e simples, tente planejar fichas bastante objetivas e que sintetizem todas as informações necessárias para as futuras consultas.

Para contribuir com os registros de pacientes, as consultas podem ser norteadas com o auxílio de um software de nutrição, no qual podem ser arquivadas fichas individuais para cada paciente. Nesse espaço, o profissional pode inserir informações pertinentes para otimizar o tempo e a qualidade das consultas.

Os registros são a melhor forma de otimizar o tempo de suas consultas e demonstrar para seus pacientes que tudo o que foi dito ou feito anteriormente está documentado.

Individualidade

As orientações para recomendar alimentação saudável são muito semelhantes, mas é importante reconhecer que os metabolismos e estilos de vida são determinantes para a conquista dos resultados nos tratamentos. Buscando sempre atender a todas as necessidades de cada paciente, o nutricionista deve utilizar as diretrizes descritas acima para beneficiar o seu dia a dia de trabalho e facilitar a preparação do melhor plano alimentar, tornando os resultados sempre possíveis diante das metas determinadas.

Gostou de conferir essas dicas para montar um plano alimentar? Saiba também como utilizar a memória alimentar afetiva a favor de seus pacientes.

Deixe uma resposta