As 9 dobras cutâneas mais utilizadas por nutricionistas e como medi-las

As avaliações físicas são necessárias para identificação e acompanhamento de tratamentos e determinação de estratégias a serem adotadas para os procedimentos terem o andamento esperado. Importante não só para nutricionistas, mas também educadores físicos, conhecer as dobras cutâneas é a melhor forma de assegurar uma avaliação completa e detalhada sobre a composição corporal.

A seguir, você conhecerá as dobras cutâneas mais utilizadas por nutricionistas e terá mais segurança para acompanhar o ganho ou perda de medidas de seus pacientes. Confira!

O que são?

As dobras cutâneas são regiões com pontos antropométricos utilizados para identificar medidas e percentuais em avaliações físicas de discriminação corporal. Os valores podem ser obtidos com o auxílio de instrumentos como o adipômetro, e a medição é feita em milímetros.

O recomendado é medir até 3 vezes, preferencialmente uma vez de cada lado do corpo, assim, havendo diferença entre as medidas, a terceira vez é utilizada para determinar um valor médio.

O objetivo das avaliações físicas é estimar o nível de gordura corporal por meio da espessura da pele aferida. O procedimento pode ser feito em 3 a 9 locais anatômicos por todo o corpo.

Como medi-las?

Para aferir as dobras cutâneas, é necessária a utilização de alguns instrumentos que garantem a confiabilidade na identificação das medidas. O adipômetro é o principal, e também pode ser chamado de compasso de dobras cutâneas, espessímetro, paquímetro, plicômetro, ou até mesmo cáliper.

Os adipômetros podem se diferenciar por fabricantes e pressões constantes. Os modelos mais adquiridos exercem pressão constante de 10 g/mm², e sua escala de medida pode variar de 0 até 60 mm. Essas informações devem ser analisadas antes da aquisição, pois escolher um instrumento que exerça muita pressão pode proporcionar desconforto aos avaliados.

Pode-se optar por um entre os modelos de diferentes materiais e custos, mas a avaliação antropométrica ainda pode contar com outros instrumentos, como a própria fita métrica.

Utilizando o adipômetro

Se você ainda não tem segurança ou experiência com uso desse equipamento, veja as orientações para manipular e identificar os resultados:

  1. os ponteiros indicadores, tanto do “PA” e “PB” (relógio maior e relógio menor, respectivamente), devem estar sobre o valor zero;
  2. deve-se analisar o deslocamento do “PA”, que seguirá no sentido horário, enquanto o “PB” irá em sentido contrário. Ambos em medida crescente;
  3. enquanto a divisão na escala de graduação “A” corresponde a 0,10 mm, na “B” corresponde à volta completa, logo, 10 mm.

Passo a passo

  1. O primeiro passo é identificar o local a ser aferido;
  2. em seguida, deve-se utilizar o dedo indicador e o polegar, simulando e identificando a região-alvo;
  3. já utilizando o instrumento, “pince” a dobra, exatamente na região determinada;
  4. é válido ressaltar que as hastes do adipômetro devem ser mantidas de forma perpendicular à pele;
  5. as medidas são identificadas rapidamente em milímetros.

Quais são as principais dobras cutâneas?

Depois de escolher o equipamento ao qual você mais se adapta, é importante saber como medir as dobras cutâneas. Para isso, confira as principais:

Axilar média

A medição é feita de forma oblíqua ao eixo longitudinal, com o braço do avaliado direcionado para trás. A aferição deve ser feita em ponto médio entre a altura do apêndice xifóide do esterno e a linha axilar média.

Abdominal

Pode ser medida a distância aproximada de 2 cm à direita do umbigo, de forma paralela ao eixo longitudinal.

Bicipital

Está localizada na linha média anterior do braço e superior ao músculo principal do bíceps. Deve ser medida em ponto médio a 1 cm acima do músculo. A medição deve ser feita no mesmo nível da dobra cutânea tricipial.

Coxa

É aferida de forma paralela ao eixo longitudinal. É recomendado pedir para o paciente deslocar levemente o membro inferior à frente, mantendo o peso sobre a perna oposta.

Suprailíaca

Feita em direção oblíqua, é medida na lateral abdominal, em ponto a 1 cm sobre a crista ilíaca anterior superior, sobre o quadril e em posição diagonal.

Tricipital

Pode ser medida na parte posterior dos braços, de forma paralela ao eixo longitudinal, em um ponto médio entre o olecrano e a borda súpero-lateral do acrômio. Peça para que o seu paciente deixe o braço relaxado para obter o resultado mais preciso possível.

Subescapular

Está localizada de 1 a 2 cm abaixo do ângulo inferior da escápula. O ideal é pedir que o avaliado levante o braço, deixando assim a escápula mais evidente para medição.

Torácica

Pode ser encontrada em ponto médio entre a linha axilar anterior e mamilo, no caso de homens, enquanto mulheres devem ser medidas a ⅓ da linha axilar anterior.

Panturrilha Medial

O avaliado deve estar sentado e com o joelho articulado, formando um ângulo de 90°. O seu tornozelo deve ser mantido em posição anatômica e com o pé sem qualquer apoio. A aferição é feita no local de maior perímetro da perna.

Como a tecnologia pode ajudar?

Os recursos tecnológicos são mais que bem-vindos para facilitar o dia a dia de um nutricionista, mas também devemos admitir que os métodos tradicionais são mais seguros e precisos. O uso de softwares e balanças de bioimpedância está cada ve

z mais comum para otimizar o tempo de consultas e reduzir a sobrecarga de tarefas dos profissionais.

Vale destacar que as informações das avaliações podem ser registradas em softwares para nutricionistas, dessa forma, pode-se ter fácil acesso ao banco de dados com a comparação de medidas e perfil individual de cada paciente nas consultas seguintes.

Para se mostrar um nutricionista completo, saber manusear um adipômetro e aferir dobras cutâneas podem ser diferenciais para despertar a confiabilidade com pacientes.

Quando devem ser feitas as avaliações antromopétricas?

As avaliações antropométricas devem ser realizadas periodicamente, e é com os seus resultados que o nutricionista poderá identificar se a dieta proposta está oferecendo os resultados esperados.

As aferições em locais anatômicos são imprescindíveis para o acompanhamento da evolução corporal e comparação de percentuais de gordura corporal. Dessa forma, aferir as dobras cutâneas é pertinente não só para pacientes que buscam perder peso, como também para aqueles que buscam hipertrofia, que necessitam de comparações e medidas precisas da espessura da pele.

Gostou de saber um pouco mais sobre as dobras cutâneas? Deixe seu comentário com dúvidas, experiências ou opinião!

 

2 thoughts

Deixe uma resposta