Cirurgia bariátrica: a importância do nutricionista na reeducação e na suplementação nutricional

A cirurgia bariátrica é considerada a ferramenta mais eficaz no tratamento de casos de obesidade severa, trazendo benefícios como a resolução ou a melhora de doenças crônicas, como hipertensão e diabetes. Os riscos deste procedimento não se resumem, porém, ao ato cirúrgico: a limitação da ingestão e da absorção de nutrientes importantes pode levar o paciente a desenvolver deficiências nutricionais, comprometendo os resultados da cirurgia. O papel do nutricionista é, portanto, fundamental, garantindo a reeducação e a suplementação alimentar do paciente, bem como a readequação do seu organismo à nova realidade.

Entenda melhor como se dá a intervenção nutricional na cirurgia bariátrica e os cuidados envolvidos no pré e no pós-operatório.

Pré-operatório

Avaliação nutricional

É importante que a avaliação do paciente seja realizada por uma equipe multidisciplinar, capaz de informá-lo acerca dos benefícios, riscos e procedimentos disponíveis para a cirurgia bariátrica. A avaliação nutricional do paciente envolve três etapas: avaliação antropométrica (avaliação da condição física), avaliação bioquímica (exames laboratoriais e de imagem) e avaliação dietética (identificação de hábitos alimentares, recordatório 24h, consumo de vitaminas e minerais, ingestão de alimentos proteicos ou muito calóricos).

A identificação e a correção das deficiências nutricionais no pré-operatório têm como objetivo otimizar o estado de saúde do paciente e minimizar os riscos de infecções e complicações durante e após a cirurgia, bem como o tempo de internação. É interessante que o nutricionista prescreva uma dieta hipocalórica e de baixa carga glicêmica e hiperproteica, ou seja, baixa em calorias, carboidratos e açúcares e rica em proteínas. A dieta contribui para a redução da gordura intra-hepática e visceral, facilitando o processo da cirurgia, e reduzindo a chance de complicações.

Pós-operatório

Suplementação alimentar

A redução do estômago e a consequente redução da absorção de nutrientes faz com que a suplementação nutricional através de doses diárias de polivitamínicos e minerais seja fundamental no pós-operatório da cirurgia bariátrica. Para tal, o acompanhamento e a orientação do nutricionista são elementos fundamentais, bem como a criação de uma dieta individualizada. As deficiências mais comuns em pacientes de cirurgia bariátrica são de proteínas, ferro, cálcio, zinco, vitaminas do complexo B e vitamina D.

Fases do pós-operatório

O pós-operatório das cirurgias bariátricas envolve um planejamento alimentar que evolui ao longo do tempo, garantindo a adaptação do organismo e educando o paciente com relação aos hábitos alimentares que deve desenvolver. Conheça as fases da evolução alimentar no pós-operatório:

1ª fase – Dieta líquida: promove a adaptação do paciente e o repouso gástrico, compreendendo apenas alimentos líquidos e pastosos. Nesta fase, o paciente perde em média 10% do seu peso, de forma que se faz necessário a introdução de complementos nutricionais específicos, evitando a carência de vitaminas e minerais.

2ª fase – Dieta branda: são inseridos alimentos cozidos que demandam mastigação intensa, contribuindo para a reeducação alimentar do paciente com relação à quantidade de alimentos ingeridos e aos nutrientes importantes. É importante que o nutricionista oriente o paciente na escolha destes alimentos, já que as quantidades ingeridas são pequenas, e devem ser priorizados alimentos que forneçam ferro, cálcio e vitaminas.

3ª fase – Dieta geral: consiste na fase final do pós-operatório, na qual devem ser introduzidos quase todos os alimentos. Continua sendo importante o cuidado na escolha dos alimentos, já que as quantidades ingeridas ainda são pequenas. O nutricionista deve desenvolver uma dieta que promova qualidade de vida, satisfação e conforto ao seu paciente, garantindo a ingestão dos nutrientes e vitaminas necessárias.

Mantenha-se informado: continue acessando nosso blog!

Deixe uma resposta