Como ajudar o paciente a lidar com a ansiedade durante a reeducação alimentar?

Após um alerta do corpo de que é necessário repensar sobre a alimentação, a maioria das pessoas resolve iniciar uma reeducação alimentar, ou por conta própria ou procurando um nutricionista. No início, o indivíduo está motivado e disposto a mudar o que for preciso, porém, ao iniciar um novo estilo de se alimentar, ele pode ser tomado pela ansiedade, prejudicando a proposta inicial de reeducação.

Querer resultados imediatos e restringir radicalmente alimentos que costumavam estar na rotina certamente deixará qualquer um ansioso. Isso pode gerar muita expectativa, especialmente quando não se conhece tão bem o caminho. Sem ajuda profissional muitos caem na monotonia na dieta, desregulam o metabolismo e, o mais comum, voltam a se alimentar como antes.

Como o nutricionista pode ajudar pacientes com ansiedade?

Para ajudar nesses problemas e indicar qual é o melhor caminho a seguir, o nutricionista é treinado e formado para dar orientações corretas, personalizar a alimentação, levar em conta os hábitos culturais, ensinar técnicas alimentares eficazes para aliviar a ansiedade, comer melhor e olhar o mundo de outra forma.

Orientar a reeducação alimentar

O nutricionista é o profissional capaz de explicar a necessidade de incluir ou excluir certos alimentos, a possibilidade de substituí-los corretamente, aliar de forma saudável as preferências alimentares na rotina e como fazer com que o novo cardápio seja inserido no dia a dia.

A vantagem entre fazer sozinho e ter ajuda profissional é a garantia de que todas as necessidades nutricionais do paciente estão sendo atendidas, independentemente da restrição alimentar.

Auxiliar nas compras

O nutricionista sabe que a maioria das pessoas tem dúvidas na hora de se alimentar e, principalmente, ir às compras. Ir ao supermercado ou à feira pode ser um dilema para muita gente, mas com a ajuda do nutricionista certamente se tornará uma atividade gratificante. É importante explicar ao paciente que não é necessário fazer a lista de compras para o mês depois que sair do consultório com um cardápio na mão.

Além disso, a reeducação alimentar ajuda na hora das compras, ao orientar o que colocar no carrinho, ou seja, comprar somente o necessário e economizar. Essa é uma ferramenta que faz parte do trabalho do personal diet, especialidade reconhecida pelo Conselho Federal de Nutricionistas.

Adequar o cardápio para a rotina atual

Muitas pessoas precisam viajar todo mês, toda semana ou até todo dia e, dependendo da frequência de viagens, não será possível fazer uma compra no supermercado. O sentimento do paciente é de não conseguir levar adiante as orientações da reeducação alimentar, se entregar à ansiedade e dar um passo atrás no novo estilo de vida.

Além de fazer cardápios para quem tem uma vida mais tranquila, os nutricionistas podem dar dicas de como se alimentar bem fora de casa, dormindo em hotéis, nos aviões e comendo todos os dias em restaurantes.

Uma possibilidade é produzir um material com indicações de restaurantes, alimentos e produtos que possam ser encontrados facilmente nos locais de destino. Outra solução é a lista de sugestões sobre o que pedir nos estabelecimentos, o que comprar no supermercado caso não encontre a primeira opção, e assim por diante.

Entender o momento difícil do paciente

É comum alguém se entregar à alimentação desregrada por causa de um acontecimento triste, trauma ou mesmo pela ansiedade de mudar de vida. O nutricionista é capaz de entender isso e adequar o cardápio para esse momento, inserindo os alimentos certos, com os nutrientes que o organismo do paciente precisa, nas horas mais adequadas.

Compreender o indivíduo como um todo, como alguém que tem emoções, sentimentos, dificuldades e uma vida única é uma das ferramentas de trabalho do nutricionista. A ansiedade na reeducação alimentar diminui com o tempo e os benefícios são melhores quando se inclui atividades físicas, relaxamento, meditação e lazer na rotina.

Explicar a importância da ajuda profissional e do trabalho em conjunto ao paciente, certamente trará resultados positivos tanto para quem aprende a se alimentar quanto para quem ensina.

Nutricionista: qual estratégia você considera mais eficaz para o paciente? Deixe um comentário.

Deixe uma resposta